Páginas

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

FEITIÇO DA LUA (1987)

Amanhã as 01h38min vai acontecer a última superlua do ano, a lua vai estar cheia e até 30% maior e mais brilhante, vai ser lindo e depois de ter assistido ontem ao Feitiço da Lua (Moonstruck, 1987) tenho certeza que essa é a noite perfeita pra amar, sim! Pra amar!

Ou não ¯\_(ツ)_/¯

No filme o auge de todos os romances acontece numa espécie de superlua, notada pelos amantes e que atribui a tudo muito romantismo e uma pitada de mistério, aquele mistério legal que a lua causa, Cher está espetacular como protagonista desse filme, bonita, simples e engraçada, tem um jovem e viril, mas não bonito, Nicolas Cage. Tudo muito italiano, falado, gritado e gesticulado. Além da Olympia Dukakis esbanjando charme da terceira idade (serving old Hollywood realness). Filme premiado pra caramba, uma comédia romântica muito bem executada, tudo na medida, engraçado, romântico e com bons paralelos. Noite propícia pra assistir!



Passei o mês de agosto todo sem postar, logo agosto, um mês tão bacana, mas tudo bem, estou de volta!

quinta-feira, 10 de julho de 2014

AI!

Depois de descobrir um problema com minha pressão arterial, acompanhado do pensamento de que sou muito novo pra isso, mudei alguns hábitos na esperança de viver muitos anos, de viver muito bem esses anos.

Passei a consumir mais frutas e verduras, nada de mais. A incluir coisas integrais na alimentação, como pão, arroz e biscoitos, e me exercitar pelo menos quatro vezes na semana e dormir melhor, quantidade e qualidade. E isso tudo junto às vezes é um porre, mas eu faço.

Eu que achei que já tinha me acostumado com academias e exercícios físicos ainda consigo me surpreender com a minha capacidade de ficar dolorido, mês após mês, toda vez que altero minha rotina de exercícios. De vez em quando penso em namorar meu personal, já que ele sempre arranja um jeito diferente de me f*der.

Agora que acabou a moleza dos jogos, voltamos a programação normal dos exercícios. Ai!


quarta-feira, 18 de junho de 2014

THE NORMAL HEART (FILME HBO)

Acabou Game of Thrones, acabou Hannibal, muitas mortes importantes em ambos, mas nada fora do normal. Acabou Psi, apesar do que li por aí, gostei da maior parte dos episódios. True Blood vai apresentar sua última temporada e por isso a HBO tá botando quente num loop infinito de episódio atrás de episódio e temporada atrás de temporada.
Falando em HBO, a pouco tempo estreou o filme para TV The Normal Heart, protagonizado pelo Mark Ruffalo (Minhas mães e meu pai, 2010), Matthew Boner (The white collar), Julia Roberts, Taylor Kitsch (Battleship, 2012) e Jim Parsons (The big bang theory). Falar sobre a AIDS quando ela ainda nem tinha esse nome é tão estranho, determinadas horas o filme parece um daqueles batidos sobre apocalipse, uma doença que tá matando as pessoas e que ninguém sabe o que é, com sintomas estranhos e que modifica a aparência, outras horas parece que é só sobre política, sobre as conspirações conspiratórias da Casa Branca e de repente é um drama, tipo um soco no estômago mesmo, tem algum romance, tem sexo, tem nudez (saiam da sala crianças), mas antes de tudo trata do direito das pessoas a saúde e a liberdade. O filme é dolorido até certo ponto, mas é bom, talvez por isso, por não tornar bonitinho um assunto tão sério, mas vale muito mais como registro de um momento tão importante, a descoberta do vírus HIV, afinal as mudanças causadas por essa descoberta repercutem até hoje no nosso cotidiano.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

APRECIAÇÃO FINAL AS CRÔNICAS DE NÁRNIA

Terminei, já faz mais de mês e isso poderia ter passado numa boa, MAS não vai passar, já que sem dúvida essa é uma das melhores histórias de fantasia que já li, juntamente com Harry Potter (uma grande reverência a J. K. Rowling nesse momento), mas se um dia tiver um filho, essas vão ser as primeiras histórias que vou ler pra ele. Cada pequeno conto ligado a outro, com personagens fantásticos, místicos, mitológicos ou surpreendentemente novos, todos ligados pelo verdadeiro país das maravilhas: Nárnia e por uma grande referência aos deuses ou ao próprio Deus: Aslam. Pois bem, deu pra notar meu encanto com tudo isso em uma postagem anterior, já no primeiro livro eu fiquei todo besta e entendi muito do que os fãs dessa série sentem. As crônicas de C. S. Lewis são distribuídas em sete pequenos livros:

  • O sobrinho do mago;
  • O Leão, a Feiticeira e o guarda-roupa;
  • O cavalo e seu menino;
  • O príncipe Caspian;
  • A viagem do peregrino da alvorada;
  • A Cadeira de Prata;
  • A Última Batalha.


Uma das minhas passagens preferidas de um dos melhores personagens da série de livros:

— Uma palavrinha, dona — disse mancando de dor —, uma palavrinha: tudo o que disse é verdade. Sou um sujeito que gosta logo de saber de tudo para enfrentar o pior com a melhor cara possível. Não vou negar nada do que a senhora disse. Mas mesmo assim uma coisa ainda não foi falada. Vamos supor que nós sonhamos, ou inventamos, aquilo tudo — árvores, relva, sol, lua, estrelas e até Aslam. Vamos supor que sonhamos: ora, nesse caso, as coisas inventadas parecem um bocado mais importantes do que as coisas reais. Pois, pra mim, o seu mundo não basta. E vale muito pouco. E o que estou dizendo é engraçado, se a gente pensar bem. Somos apenas uns bebezinhos brincando, se é que a senhora tem razão, dona. Mas quatro crianças brincando podem construir um mundo de brinquedo que dá de dez a zero no mundo real. Por isso é que prefiro o mundo de brinquedo. Estou do lado de Aslam, mesmo que não haja Aslam. Quero viver como um narniano, mesmo que Nárnia não exista. Assim, agradecendo sensibilizado a sua ceia, se estes dois cavalheiros e a jovem dama estão prontos, estamos de saída para os caminhos da escuridão, onde passaremos nossas vidas procurando o Mundo de Cima. Não que as nossas vidas devam ser muito longas, certo; mas o prejuízo é pequeno se o mundo existente é um lugar tão chato como a senhora diz.
 Brejeiro em A cadeira de prata. 
Brejeiro diretamente da  Wood & Ivory

Os livros contam em ordem cronológica os acontecimentos de um outro mundo, de outros países, sempre ligados a magia e ao nosso mundo, cada aspecto da história é contado com riqueza de detalhes e tudo com grande significado.
Talvez a escolha de não transformar os sete livros da série em filmes tenha sido muito mais comercial do que ligada a conteúdo, já que todos eles tem qualidade, coisa que não se pode dizer de todos os filmes, mas ok.


Que fique então registrado aqui meu fascínio pelos livros!



terça-feira, 22 de abril de 2014

WORKAHOLICS

A série no Comedy Central é totalmente desprovida de sentido, mas o termo designa a pessoa que é extremamente voltada ao trabalho, que pensa com muita frequência nele e que gasta grande parte de seu tempo e energia no trabalho. Acho que muitos já passaram por uma fase workaholic, um determinado momento onde precisamos, por algum tempo, nos envolver tanto no trabalho que todo o resto fica em segundo plano, recentemente passei por uma fase dessas. Mas de tudo isso o importante não foi aprender o significado de workaholic mais sim perceber a importância que o trabalho tem em nossas vidas, a importância que o trabalho tem na minha vida. Comecei a me incomodar com a grande fatia, do gráfico pizza da minha vida, que o item “trabalho” tem tomado. Acho que ele tá tomando conta de um espaço que não deveria, quem sabe de algum item que não tenho dado muita atenção? É importante a constatação, mas não saber o que fazer com ela é bem preocupante pra mim. Quem sabe ajuda fazer um gráfico pizza com o percentual de importância das coisas... Não, nada pior do que pesar as “importâncias da vida” (esse seria o nome do gráfico) pra piorar meu insight, meu momento eureka! ainda não tão bem sucedido, minha conclusão ficou com cara de introdução. Isso é aceitável? Não.


segunda-feira, 31 de março de 2014

CRIANÇAS DOS FILMES

Nicolas, famosão na frança.
Costumo fazer cara feia pra filmes com animais e crianças eu confesso, principalmente pra aqueles clássicos da tarde que incluíam os dois, mas existem alguns filmes que valem a pena e que tem como elenco principal crianças, não adolescentes ou adultos se passando por crianças, mas crianças mesmo. Eles retratam a visão que as crianças tem do mundo, simples, não tem lá seus grandes artifícios, efeitos, dramas. Mas mostram o mundo pelos olhos desses pequenos. 
Greg, o banana.
O engraçado é notar como são estranhas muitas coisas da vida adulta pelo panorama de uma criança, como muitas vezes notamos que fazemos muitas coisas sem explicação lógica na ponta da língua, apenas pelo costume, ou pela aprovação social, pra tentar ser uma pessoa normal, e quem é mesmo que dita o padrão pra isso? Não sei, mas depois de um tempo paramos de nos perguntar isso com muita frequência e passamos a repetir mais e questionar menos, agimos como o esperado, como todo mundo faz, fez e fará.
E as crianças questionam sobre esse tal "comportamento automático" com tanta naturalidade, assim acontece por exemplo no bonito O pequeno Nicolau (Le petit Nicolas, 2010) filme francês do mesmo criador de Asterix e baseado numa histórias em quadrinhos bem famosa por lá, O diário de um banana (Diary of a Wimpy Kid, 2010) baseado numa série de livros bem bacanas e Os Batutinhas (The Little Rascals, 1994), um clássico da minha infância.
Gosto dessa perspectiva nova sobre velhos modos, da forma simples de encarar as coisas e do mundo girar em torno de um grande problema como: a possibilidade da chegada de um irmão, a perseguição de um irmão mais velho ou a perda de um amigo pra um garota (argh).

segunda-feira, 24 de março de 2014

PSI (SÉRIE HBO)

Ontem a HBO Brasil começou a transmitir mais uma série brasileira: Psi. Prima da série Sessão de terapia do GNT, ela tem como foco principal a psicanálise e as suas vertentes, estudos e devaneios. 
O personagem principal é Carlo, um psicanalista pouco encanado com as esquisitices do ser humano, tem a mente mais aberta na hora de falar dos problemas/doenças de seus pacientes e parece até certo ponto bem normal, nada rebuscado ou uma figura excêntrica. A série em seus dois primeiros episódios mostrou muito mais interação de Carlo com as pessoas de sua rotina do que com os pacientes, o que pra mim faz a série ganhar pontos.


Os dois primeiros episódios tiveram como foco o autismo e automutilação, respectivamente, de uma forma séria e que me convenceu. Ponto também pra atuação de Claudia Ohana, que parece muito a vontade na pele de Valentina, amiga, consultora e colega de profissão de Carlo.
Bem, com Sessão de terapia não foi, vamos ver se vai ser essa série que vai chegar lá, além de continuar com Hannibal, na linha do "o que você tem na cabeça".

sábado, 15 de março de 2014

COLABORAÇÃO


Vocês lembram da série Veronica Mars? A série tem agora uma continuação em filme graças a colaboração dos fãs, através do maior site de financiamento coletivo do mundo, o Kickstarter, foram 91.585 doações.
Essa talvez seja uma das novas grandes utilidades da comunicação gerada pela internet, podemos juntos fazer muito mais do que reclamar nas redes sociais ou nos comentários de portais de notícias, podemos conquistar mais como grupo ou conseguir ir mais longe como tal.
Desde projetos colaborativos ao financiamento coletivo, podemos fazer muita coisa, você pode apoiar o financiamento de empresas pela Impulso, você pode ajudar a montar um acervo de GIFs lá no GIFGIF, um projeto do MIT que pretende traduzir textos em GIFs, incentivar a produção audiovisual brasileira pelo Cineasta, você pode deixar um amostra de sua intimidade lá pelo Banco mundial da genitálias, um projeto à primeira vista estranho mas que tem a nobre intenção de desmistificar os padrões estéticos da sociedade atual, lá no Petição Pública Brasil ainda da pra criar, divulgar a assinar abaixo-assinados, apoiar ou criar diversos projetos lá no Kickstarter, você pôde apoiar a Lei da Ficha Limpa e diversas outras causas pelo mundialmente conhecido Avaaz e contribuir com seu vasto conhecimento (sobre Pokémon,rs) na Wikipédia.


Eu gosto muito de participar dessas iniciativas, quando é possível, acho que estamos aqui pra isso e devemos apoiar causas em que acreditamos, vou assistir Veronica Mars e lembrar que a colaboração é uma coisa maravilhosa e que podemos juntos fazer algo acontecer, nem que eu represente uma pequena parte de algo que logo pode se tornar um grande e importante todo.

terça-feira, 11 de março de 2014

DOCUDRAMA

É um termo pouco familiar pra mim, mas que recentemente tenho visto bastante. Depois de uma breve pesquisa descobri que é mais comum do que imaginava, percebi também que alguns filmes tendem a serem classificados também como docudrama, que segundo o Dicionário de Oxford é "um filme dramatizado baseado em eventos reais e incorporando aspectos de documentário", também chamado de Docuficção.
Vi um trabalho acadêmico que analisa os filmes Carandiru (2003) e Cidade de Deus (2002) como docudrama, blogs que citam as minisséries Maysa (2009), Os Kennedys (2011) e Dercy de verdade (2012) como docudrama e as mais diversas referências a filmes que podem também ser classificados como tal, entre eles: J. Edgar (2011), Titanic (1997), Coco antes de Chanel (2009), Piaf (2007) e os filmes feitos pra TV como Coco Channel (2008), Liz & Dick (2012) e o meu queridinho Grey Gardens (2009).
Recentemente filmes, filmes pra TV, minisséries e séries baseadas em fatos reais tem grande aceitação, e a linha entre o que é somente ficção e o que realmente é verídico é fina de mais pra ver assim, a olho nú, é preciso um certo discernimento, saber quais são os "aspectos de documentário" que precisam estar em uma obra pra ela ser classificada como Docudrama, mas ainda é muito provável rolar uma dúvida a respeito dessa classificação.
A classificação dos filmes e séries sempre foi uma coisa que me chamou muita atenção, já pensei muito sobre isso, pesquisei, tentei escrever, mas é demasiado complicado classificar algumas obras, ficção cientifica, comédia, comédia romântica, comédia dramática, drama, biográficos, policial, aventura, ação, terror, suspense... Caramba é muita coisa pra levar em consideração, fico sempre perdido quando penso nisso.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

BASTILLE (THIS IS THE RHYTHM OF THE NIGHT)

Depois de concorrer a três das principais categorias do BRIT Awards (revelação do ano, melhor banda e melhor single) e se consagrar como revelação britânica do ano, resolvi ouvir um pouco do que os caras da Bastille são capazes e olha o que achei: Of The Night (esse clipe aí embaixo). Incluso no álbum Bad Blood, é um mashup muito bom do grande hit da Corona (brasileira radicada na Itália), The Rhythm of the Night, lançado em 1993 na Itália e de lá como eurodance ganhou o mundo, se tornou um sucesso, chegou a alcançar o 11º na Billboard Hot 100 e Rhythm Is a Dancer da banda alemã Snap!, um hino dançante de 1992.


Música porreta mas clipe estranho, um climão de CSI, Criminal Minds e Hannibal.

Não só de regravações vive a Bastille, que tem esse nome devido ao Dia da Bastilha, mas eles tem ótimas músicas como Pompeii e Bad Blood, além do sotaque britânico.


This is the rhythm of the night, the night, oh yeahhh!




terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

O GRANDE AMOR DA MINHA VIDA

Durante o enterro do pai de uma grande amiga, enquanto contava histórias sobre ele em meio as lágrimas, ela nos disse que ao contar pra mãe que o ex-marido havia falecido ela disse: "Ele foi o grande amor da minha vida".
(grande suspiro)
Não foi qualquer amor, foi o grande amor de uma vida, uma vida inteira, sabe o que é isso? Ele foi pra ela o que a Jenny foi pro Forrest, o que o Jack foi pra velha Rose e o que o outro Jack foi pro Ennis, alguém em milhões, um amor em milhões. Não pude deixar de pensar em quantas pessoas passam pela nossa vida ao longo dos anos, em quantas pessoas conhecemos, quantas pessoas simpatizamos, quantas gostamos e finalmente quantas amamos, e quanto mais forte o sentimento parece se estreitar também uma espécie de funil, e aos que tiveram sorte ele termina no grande amor da vida. Nossa é muita coisa!
(suspiro final)
Foi um momento bonito, daqueles que vão ficar na memória pra sempre com um sabor agridoce, que te faz ir as lágrimas mas também suspirar e pensar na beleza do amor, da vida.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

AINDA LEMBRO

Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças por Seiji Sato

Estudo sugere ser possível apagar memórias específicas, lembrei do Jim Carrey e da Kate Winslet em Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças e... não obrigado. Vou ficar com essas aqui e pretendo levar mais algumas memórias pra viagem, lembrar como cheguei aqui é importante pra mim, com quem eu cheguei também e o porquê de tudo isso também, né?!

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

O POUP E O CASHBACK

A internet unida a uma mão nervosa e muitos links hoje me levou ao site Poup (sim, esse porquinho rosa gracinha faz parte da logo), uma empresa aqui no Brasil que trabalha com Cashback, segundo eles, "um programa de bonificação em que você recebe um reembolso pelo que compra na internet", comecei a fuçar o site, parece que isso já é bem popular na gringa e funciona assim, a cada compra nas lojas cadastradas no site, o que inclui um monte de loja, você acumula um percentual a ser devolvido, o tal do Cashback, que pelo que percebi, varia de 1 a 10%, assim que você acumula no mínimo R$ 30,00, se for solicitado, eles depositam esse valor na sua conta, esse crédito tem validade de 12 meses e é pago em até 30 dias.


Achei um boa ideia de negócio, já que eles recebem comissão pelas compras feitas diretamente do link da loja parceira no site deles e devolvem parte dessa comissão para os clientes.

Pontos positivos:


  • Você acumula pontos de todas as compras, na mesma conta, independente do produto ou loja;
  • Como a perspectiva era de não receber nada de volta, qualquer retorno é bem-vindo;
  • Muita lojas boas, incluindo algumas novas;
  • Receber tudo em dinheiro o/


Pontos negativos:


  • Ter que comprar clicando em um link para loja parceira dentro do site Poup e tomar diversos cuidados para não desperdiçar suas compras, como fazer a compra diretamente na janela que abriu, ter o carrinho vazio no inicio do processo e não estar em janelas anonimas ou navegadores configurados para recusar Cookies, coisa que parece chata só de ler, imagina fazer;
  • Não poder usar cupons promocionais externos;
  • Não dá pra comprar pelo smartphone ou tablet.

domingo, 9 de fevereiro de 2014

THE CRAZY ONES (SÉRIE CBS)

Nós vimos a nova série da CBS, The Crazy Ones, eu vi, rs. Mais um sitcom de 30 minutos, dessa vez não é em um apartamento em Pasadena ou New York, os bastidores de um canal ou o departamento de parques, essa espécie mora em uma agência de publicidade, de pai e filha, Roberts & Roberts, liderada por Robin Williams e sua filha, a Buffy, Sarah Michelle Gella.

 
Ah Robin como você é exagerado nessa série, conseguiu algumas risadas sim, mas passou vergonha muitas outras vezes, a Sarah segue mandando bem, já que ela não é exatamente comediante, a série conta ainda com Hamish Linklater, o irmão da Christine em The New Adventures of Old Christine e de filmes como Battleship e Quarteto Fantástico e ainda com James Wolk, o filhinho preferido da presidente em Political Animals e o namorado fofo do Max em Happy Endings. Esse sorriso ai embaixo:


Legal que o nome da série remete a um slogan publicitário icônico criado para Apple Computer em 1997 pela agência de publicidade TBWA\Chiat\Day. A versão completa da peça é assim:
"Isto é para os loucos. Os desajustados. Os rebeldes. Os criadores de caso. As peças redondas nos buracos quadrados. Os que vêem as coisas de forma diferente. Eles não gostam de regras. E eles não têm nenhum respeito pelo status quo. Você pode citá-los, discorda-los, glorificá-los ou difamá-los. Mas a única coisa que você não pode fazer é ignorá-los. Porque eles mudam as coisas. Eles empurram a raça humana para frente. Enquanto alguns os vêem como loucos, nós vemos gênios. Porque as pessoas que são loucas o suficiente para achar que podem mudar o mundo, são as que de fato, mudam"

PARA NOSSA ALEGRIA: 2014

Depois de uma grande temporada de trabalho, nada de episódios de 30 minutos, apenas horas e horas de muito trabalho, tudo para enterrar 2013 definitivamente, já foi então.
Com isso vi o episódio final de American Horror Story Coven (Season finale T3E13: The Seven Wonders), atualizei a leitura, outras séries e os exercícios físicos. Algumas coisas ainda estão atrasadas, oh se estão, mas vão ser resolvidas.
Falando em série e em retorno em 2014, agora aperta o cerco a estreia de Game of Thrones que vai acontecer somente em abril, mas para nossa alegria hoje a HBO exibirá um especial de 15 minutos intitulado “Ice and Fire: A Foreshadowing”.

sábado, 25 de janeiro de 2014

AS CRÔNICAS DE NÁRNIA: O SOBRINHO DO MAGO

Não queria ler uma saga, ou me prender a muitos livros e acabar tendo que esperar um que ainda não foi lançado no Brasil, a solução pra isso foi reavivar um desejo antigo de conhecer melhor Nárnia desde que fui ao cinema lá em 2005 ver As Crônicas de Nárnia: O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, lembro que gostei muito, mesmo já me achando velho pra contos de fada, coitado, uma criança que sempre se achou madura, assim comprei o volume único do C. S. Lewis, numa black friday dessas da vida.

 
Terminei o primeiro dos sete livros, na ordem cronológica da historia, O sobrinho do mago, essa parte da história não virou filme, e talvez nunca vire, porque vem antes de O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, mas é absolutamente mágica a narração da descoberta da magia por duas crianças, de outros mundos, feiticeiras, criaturas fantásticas, incluindo toda a criação de Nárnia, o surgimento do grande, imponente e divino Aslam, o leão Dumbledore/Gandalf desse autor, uma criatura absolutamente fascinante, inteligente, poderosa, sensível, um excelente cantor e um líder nato, até agora me pergunto: por que ele é um animal? Por que ele é um leão? E por que eu fiquei tão impressionado com essa história?

Acho que ainda tem a ver com o primeiro filme, como esse livro tem muitos ganchos com o próximo (O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa), muitas coisas ficaram mais claras e deu pra ligar muitas coisas, pra entender melhor muito do tinha ficado no ar, acho que vou rever esse filme e ler o próximo livro, uma leitura que me deixou realmente desconcertado, quase bobo, acho que é o impacto de ter ficado tanto tempo sem ler fantasia, desde Harry Potter...

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

AMOR, MÚSICA E ROSQUINHAS

Algumas pessoas falam de amor como a Vanessa da Mata canta, de forma natural mas com toda a propriedade necessária, outras falam de amor como Homer Simpson baba, sem a menor noção.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

LOOKING (SÉRIE HBO)

Assisti hoje ao primeiro episódio de Looking (S1E1), nova série gay da HBO, ao estilo de Sexy And The City e Girls, muitos disseram ainda, ao estilo de Sexy And The City gay, coisa que acho redundante, mas ok.
Pra começar não parece com a primeira, brinca mais com a segunda, é mais realista, sabe como é, não é tão estereotipada quanto parecia, aliás tem uma boa variedade de personagens, tem umas sacadas bem atuais e cita pequenos-grandes problemas pelos quais passamos constantemente.
O personagem principal já me ganhou, não sou do tipo difícil mesmo (rs), ele é simples, inexperiente em relacionamentos, a procura de algo mais sério e ao mesmo tempo meio desesperado, tem 29 anos, além de ser interpretado pelo lindo Jonathan Groff.
A primeira impressão foi boa, muita coisa interessante pra desenrolar, alguns relacionamentos em desenvolvimento, a relação dos três amigos. Assim como chance de mostrar suas histórias, seus relacionamentos, decepções e percepções.
Sempre espero aqueles momentos do filme ou série em que conheceremos mais a fundo os personagens, ouvir o que ele tem a contar é importante e fundamental pra gerar empatia e é isso que vou esperar pra considerar a série boa ou não.



terça-feira, 14 de janeiro de 2014

O TEOREMA KATHERINE

Um cara que namorou 19 Katherines e levou fora de todas elas! Não dá pra não ficar curioso. Li o livro em dezembro, já no tempo de prorrogação terminei, já havia lido A culpa é das estrelas,  do mesmo autor, e esse é bem diferente. É mais divertido, mas aventureiro e sem dúvidas muito mais informativo, ponto positivo pra tantas notas de rodapé incríveis e muitos termos em alemão, língua que aprendi a amar já um tempo atrás com suas palavras tão bem desenvolvidas e expressões incríveis, e em árabe com seu grande e melhor amigo Hassan.


O livro começa com o rompimento do último relacionamento de Colin com uma Katherine (K-19), se desenvolve a partir de suas ações para preencher ou esquecer o enorme buraco que ela deixou, passa assim por um viagem, um cadáver famoso, uma cidade do interior, moradores locais, uma eureca e muitas descobertas de um jovem prodígio, que não se tornou um gênio, e agora tenta descobrir como os relacionamentos funcionam, como os terminados e os terminantes se comportam, prevendo assim o início, o meio e o declínio de qualquer relacionamento.

Agora dá vontade de rir de alguém montando um teorema capaz de prever todo relacionamento, mas quem nunca tentou explicar e/ou justificar algum ponto de um relacionamento, seja seu começo, desenvolvimento ou fim. Uma maneira de tentar criar lógica em uma coisa regida pelos sentimentos de duas pessoas é balela, uma grande besteira, praticada infinitas vezes por todos nós ao longo de milhares de anos, acho que não aprendemos né?!

sábado, 4 de janeiro de 2014

EU ME IMPORTO!

Essa semana vi a notícia que a Coca-Cola tinha feito um novo comercial, Reasons to Believe (Razões para acreditar), que celebrava o amor em pequenos momentos da vida, uma das cenas incluía um casamento gay, ótimo! Nada mais justo, diante de tantas cenas bonitas. Esse vídeo começa a não ser tão feliz quando na Irlanda essa cena é cortada, a empresa diz que porque lá o casamento entre pessoas do mesmo sexo não é permitido. Pode parecer pouco, pode parecer somente uma cena, pode ser somente um país longínquo, mas eu me importo! Me importo que as pessoas desse país se sintam incluídas, que sintam-se parte da sociedade, parte das suas tradições, sonhar em casar, andar de mãos dadas na rua, se abraçar no cinema. Um comercial pode parecer pouco, uma cena então... mas o que prevalece nisso é sentir-se parte do mundo, e isso, isso é enorme!



Um ótimo 2014 minha gente!