Páginas

sábado, 25 de janeiro de 2014

AS CRÔNICAS DE NÁRNIA: O SOBRINHO DO MAGO

Não queria ler uma saga, ou me prender a muitos livros e acabar tendo que esperar um que ainda não foi lançado no Brasil, a solução pra isso foi reavivar um desejo antigo de conhecer melhor Nárnia desde que fui ao cinema lá em 2005 ver As Crônicas de Nárnia: O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, lembro que gostei muito, mesmo já me achando velho pra contos de fada, coitado, uma criança que sempre se achou madura, assim comprei o volume único do C. S. Lewis, numa black friday dessas da vida.

 
Terminei o primeiro dos sete livros, na ordem cronológica da historia, O sobrinho do mago, essa parte da história não virou filme, e talvez nunca vire, porque vem antes de O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, mas é absolutamente mágica a narração da descoberta da magia por duas crianças, de outros mundos, feiticeiras, criaturas fantásticas, incluindo toda a criação de Nárnia, o surgimento do grande, imponente e divino Aslam, o leão Dumbledore/Gandalf desse autor, uma criatura absolutamente fascinante, inteligente, poderosa, sensível, um excelente cantor e um líder nato, até agora me pergunto: por que ele é um animal? Por que ele é um leão? E por que eu fiquei tão impressionado com essa história?

Acho que ainda tem a ver com o primeiro filme, como esse livro tem muitos ganchos com o próximo (O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa), muitas coisas ficaram mais claras e deu pra ligar muitas coisas, pra entender melhor muito do tinha ficado no ar, acho que vou rever esse filme e ler o próximo livro, uma leitura que me deixou realmente desconcertado, quase bobo, acho que é o impacto de ter ficado tanto tempo sem ler fantasia, desde Harry Potter...

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

AMOR, MÚSICA E ROSQUINHAS

Algumas pessoas falam de amor como a Vanessa da Mata canta, de forma natural mas com toda a propriedade necessária, outras falam de amor como Homer Simpson baba, sem a menor noção.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

LOOKING (SÉRIE HBO)

Assisti hoje ao primeiro episódio de Looking (S1E1), nova série gay da HBO, ao estilo de Sexy And The City e Girls, muitos disseram ainda, ao estilo de Sexy And The City gay, coisa que acho redundante, mas ok.
Pra começar não parece com a primeira, brinca mais com a segunda, é mais realista, sabe como é, não é tão estereotipada quanto parecia, aliás tem uma boa variedade de personagens, tem umas sacadas bem atuais e cita pequenos-grandes problemas pelos quais passamos constantemente.
O personagem principal já me ganhou, não sou do tipo difícil mesmo (rs), ele é simples, inexperiente em relacionamentos, a procura de algo mais sério e ao mesmo tempo meio desesperado, tem 29 anos, além de ser interpretado pelo lindo Jonathan Groff.
A primeira impressão foi boa, muita coisa interessante pra desenrolar, alguns relacionamentos em desenvolvimento, a relação dos três amigos. Assim como chance de mostrar suas histórias, seus relacionamentos, decepções e percepções.
Sempre espero aqueles momentos do filme ou série em que conheceremos mais a fundo os personagens, ouvir o que ele tem a contar é importante e fundamental pra gerar empatia e é isso que vou esperar pra considerar a série boa ou não.



terça-feira, 14 de janeiro de 2014

O TEOREMA KATHERINE

Um cara que namorou 19 Katherines e levou fora de todas elas! Não dá pra não ficar curioso. Li o livro em dezembro, já no tempo de prorrogação terminei, já havia lido A culpa é das estrelas,  do mesmo autor, e esse é bem diferente. É mais divertido, mas aventureiro e sem dúvidas muito mais informativo, ponto positivo pra tantas notas de rodapé incríveis e muitos termos em alemão, língua que aprendi a amar já um tempo atrás com suas palavras tão bem desenvolvidas e expressões incríveis, e em árabe com seu grande e melhor amigo Hassan.


O livro começa com o rompimento do último relacionamento de Colin com uma Katherine (K-19), se desenvolve a partir de suas ações para preencher ou esquecer o enorme buraco que ela deixou, passa assim por um viagem, um cadáver famoso, uma cidade do interior, moradores locais, uma eureca e muitas descobertas de um jovem prodígio, que não se tornou um gênio, e agora tenta descobrir como os relacionamentos funcionam, como os terminados e os terminantes se comportam, prevendo assim o início, o meio e o declínio de qualquer relacionamento.

Agora dá vontade de rir de alguém montando um teorema capaz de prever todo relacionamento, mas quem nunca tentou explicar e/ou justificar algum ponto de um relacionamento, seja seu começo, desenvolvimento ou fim. Uma maneira de tentar criar lógica em uma coisa regida pelos sentimentos de duas pessoas é balela, uma grande besteira, praticada infinitas vezes por todos nós ao longo de milhares de anos, acho que não aprendemos né?!

sábado, 4 de janeiro de 2014

EU ME IMPORTO!

Essa semana vi a notícia que a Coca-Cola tinha feito um novo comercial, Reasons to Believe (Razões para acreditar), que celebrava o amor em pequenos momentos da vida, uma das cenas incluía um casamento gay, ótimo! Nada mais justo, diante de tantas cenas bonitas. Esse vídeo começa a não ser tão feliz quando na Irlanda essa cena é cortada, a empresa diz que porque lá o casamento entre pessoas do mesmo sexo não é permitido. Pode parecer pouco, pode parecer somente uma cena, pode ser somente um país longínquo, mas eu me importo! Me importo que as pessoas desse país se sintam incluídas, que sintam-se parte da sociedade, parte das suas tradições, sonhar em casar, andar de mãos dadas na rua, se abraçar no cinema. Um comercial pode parecer pouco, uma cena então... mas o que prevalece nisso é sentir-se parte do mundo, e isso, isso é enorme!



Um ótimo 2014 minha gente!